Últimas Notícias

Terceirizados da Saúde protestam em frente à empresa para cobrar salários atrasados

Manifestantes se reuniram na porta da Distribuidora Vrill, na manhã desta quarta-feira (9)

Créditos: Winicyus Gonçalves
Grupo de aproximadamente 30 pessoas foram à empresa cobrar salários - Edinaldo Morais/Roraima em Tempo

Servidores terceirizados que prestam serviço para a Secretaria de Saúde (Sesau) foram à porta da empresa Distribuidora Vril Comércio Odonto Médico Hospitalar Eireli em protesto na manhã desta quarta-feira (9).

Segundo os manifestantes, eles não recebem salários há três meses e a empresa teria recebido recursos para quitar um mês de vencimentos. Ontem (8), eles protestaram na entrada da Sesau.

Ainda de acordo com os terceirizados, o governo de Roraima responsabiliza a empresa pelo atraso dos pagamentos, já que o repasse dos recursos poderá ser feito se a empresa regularizar documentação junto à pasta.

O grupo de cerca 30 pessoas trabalha nas áreas de serviços gerais e vigilância nas unidades de saúde o estado. Os trabalhos estão paralisados desde o dia 27 de setembro e não há previsão de retorno das atividades, informaram os manifestantes.

O servidor Helison Leisser, que trabalha na empresa há seis meses, disse que há quase três meses deixou de receber salário e os vales alimentação e transporte. "Estamos lutando, pois muitos pais de famílias estão recebendo notificação da Justiça para pagar dívidas. Meus filhos, muitas das vezes, pedem um pão para comer e eu não posso oferecer, por causa da falta de pagamento", relatou o servidor.

REPASSES

No último dia 20 de setembro, o Governo de Roraima efetuou o pagamento dos débitos referentes a quatro meses de serviços prestados pelas empresas terceirizadas que prestam serviço para Secretaria de Educação (Seed).

As empresas Haiplan, Limponge e Lidan. Foram pagos valores referentes aos meses de março, abril, maio e junho, que somam cerca de R$ 6,4 milhões. Nesta semana, a secretaria voltou a pedir pagamento de mais de R$ 5,1 milhões à Limponge.

A reportagem tentou contato com a Vrill, mas não obteve êxito até o fechamento desta matéria.

SEE ALSO ...