Últimas Notícias

Roraima criou mais empregos para adultos entre 30 e 39 anos, aponta Ministério da Economia

Por outro lado, maior fechamento de vagas se deu na faixa etária de jovens entre 18 e 24 anos

Créditos: Bryan Araújo
Número de novas vagas criadas também é alto para adultos entre 40 e 49 anos - Foto: Divulgação

Dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) divulgados nesta semana pelo Ministério da Economia, mostram que em 2018 a criação de vagas formais de emprego em Roraima foi maior para quem tinha entre 30 e 39 anos.

Conforme os dados, entre janeiro e dezembro do ano passado, mais de 32 mil novos postos de trabalho foram criados para profissionais nessa faixa etária. O que representa um total de 30,9% de mais de 98 mil vagas criadas durante todo o ano.

O número de vagas também é alto para adultos entre 40 e 49 anos, foram criados mais de 23 mil novos postos para pessoas nessa idade, 23,7% do total de novas oportunidades em 2018.

Por outro lado, foram fechadas mais de 884 vagas para profissionais entre 18 e 24 anos, uma queda de 7,14% em relação ao ano anterior. Ao todo, foram criados 11,4 mil novos postos de trabalho para a faixa etária. O que representa 11,7% do total.

ESCOLARIDADE

Grande parte das novas contratações incluíram pessoas com ensino médio completo. Nos 12 meses de 2018, foram criadas 48,5 novas vagas de emprego formais, 49,5% do saldo geral de postos para o ano passado.

O saldo também foi positivo para profissionais que possuíam até a 9º série do ensino fundamental completa. Foram criados mais de 2,2 mil novos postos com carteira assinada em 2018. Um crescimento de 6,3% em relação ao ano anterior.

Profissionais com ensino superior completo foram responsáveis pela criação de 31,3 mil vagas de emprego formais, o que representa 31,9% do total de novos postos. O saldo, no entanto, foi negativo em relação a 2017 e 622 cargos foram extintos.

BRASIL

Em 2018, as faixas etárias que apresentaram maior crescimento foram as de trabalhadores com mais de 30 anos. A maior parte das vagas que surgiram no último ano foi ocupada por empregados que tinham entre 40 e 49 anos, foram 258 mil postos a mais, um crescimento de 2,47% em relação a 2017.

A faixa de quem tinha mais de 50 anos aumentou em 183 mil vagas, aumento de 2,19%, e a dos trabalhadores com idades entre 30 e 39 anos teve acréscimo de 83 mil vagas, variação de 0,57%. 

A maioria dos trabalhadores formais brasileiros possui entre 30 e 39 anos. Eles são os responsáveis por 31% de toda a força de trabalho no país. Em seguida, vêm a faixa de 40 a 49 anos (23%) e dos 50 anos ou mais (18,3%). Os trabalhadores de até 24 anos e os que têm entre 25 e 29 anos respondem por 13,9% do mercado cada. 

Em relação a escolaridade, as vagas destinadas a trabalhadores com maior tempo de estudo foram as que mais cresceram em 2018. Os postos destinados a quem tinha ensino superior completo tiveram um acréscimo de 458 mil, 4,46% a mais do que em 2017.

Para superior incompleto, o incremento foi de 69 mil vagas, crescimento de 3,87%. No ensino médio completo, o aumento foi de 367 mil vagas, variação de 1,64% em relação ao ano anterior. As demais escolaridades tiveram fechamento de vagas. 

Ensino médio completo é a escolaridade com maior presença no mercado formal de trabalho. Quase metade dos vínculos com carteira assinada no país são destinadas a trabalhadores que concluíram o ensino médio, mas não chegaram a entrar em uma faculdade. Em 2018, pessoas com este perfil preencheram 48,8% do total dos vínculos empregatícios.