Notícias Locais

Procura por segurança privada aumenta em Roraima; mercado está em expansão

Empresas investem em pessoal e equipamentos para atender todas as zonas de Boa Vista

Créditos: NEIDIANA OLIVEIRA
- Edinaldo Moraes

Casas com muros altos, grades, cerca elétrica, câmera, concertina e seguranças rondando pela cidade. Este é o cenário que tem se tornado comum em Boa Vista. A segurança privada deixou de ser luxo e virou necessidade para a população. Roraima é o segundo pior estado do Brasil em segurança pública, conforme pesquisa da organização não governamental Centro de Liderança Pública.

O levantamento mostra que, em 2015, o Estado era o quarto com mais segurança, mas neste ano passou a ocupar a 26ª posição, sendo considerado, portanto, um dos mais violentos do Brasil, perdendo apenas para Pernambuco. A pesquisa foi divulgada em setembro deste ano.

O empresário Valdeir de Oliveira contou que começou há pouco tempo o trabalho de segurança particular em Boa Vista, mas que o serviço tem tido uma recepção positiva da população, pois não se resume ao monitoramento no entorno das residências, mas também no acompanhamento de trabalhadores, estudantes e outros atendimentos.

"Atuamos das 21h às 5h em toda a cidade, mas somos equipes diferentes, coordenadas por sócios distintos. Além do monitoramento, acompanhamos os nossos clientes que chegam tarde do trabalho, escola ou faculdade. Também em casos de emergência, compramos medicamento, e durante viagens, vigiamos com bastante cautela a residência", detalhou.

Ele explicou que ao todo são mais de 50 motociclistas em todas as zonas de Boa Vista, sendo que cada equipe motorizada é formada com pelos menos oito seguranças.

"Trabalhamos conectados e quando há alguma ocorrência, todos são acionados. Atuamos em sintonia com as polícias, sendo elas responsáveis pela execução de prisões e medidas legais", esclareceu Oliveira.

Sobre o trabalho, o empresário contou que, somente em uma semana, acionou mais de 50 famílias para informar que o portão estava aberto durante a madrugada.

"É muito comum as pessoas esquecerem o portão aberto e nós comunicamos os moradores. Neste período, também imobilizamos oito suspeitos e acionamos a polícia", lembrou.

Oliveira complementou ainda que em um dos casos de invasão de domicílio, por três vezes consecutivas, foi o mesmo suspeito.

"Em uma semana, pegamos o mesmo homem tentando invadir residências diferentes nas redondezas do bairro Caimbé, chamamos a polícia, ele foi preso e depois solto, e voltou a praticar o crime", relatou.

Ele destacou que todos os seguranças se apresentam devidamente fardados e com equipamentos de proteção durante o trabalho, assim como ao se dirigir a algum morador para informar sobre o serviço. Além disso, todos recebem treinamento e estão aptos a prestar um atendimento de qualidade à população.

"Estamos sendo bem recebidos pelas pessoas e aceitos de forma positiva. O mercado de segurança privada tem ganhado espaço em Boa Vista", assegurou o empresário, ao completar que o crescimento do setor aconteceu pelo aumento da criminalidade e a falta de compromisso do governo em prover meios para garantir a segurança da população.

SEE ALSO ...