Roraima em Alerta

Servidores públicos seguem como os mais prejudicados na Reforma da Previdência

120719 Social


Aprovado

O texto base da Reforma da Previdência foi aprovado pela Câmara dos Deputados em primeiro turno. Por se tratar de uma proposta que altera a Constituição Federal, ela tem que ser votada em duas sessões na Câmara e depois em mais duas sessões no Senado Federal. O texto até que passou fácil, com uma adesão maior do que se esperada dos deputados federais. Na bancada de Roraima, apenas Joênia Wapixana (REDE) se posicionou contrária ao texto base, todos os demais ajudaram a aprovar a proposta que aumenta o tempo de contribuição e até de trabalho para os servidores públicos estaduais.

 

Acordo

Conforme anunciados por alguns, houve um intenso acordo para se chegar a esse resultado. Primeiro, com a garantia do Governo Federal de liberar emendas para os parlamentares, alguns chamam isso da velha política do toma-lá-dá-cá, aquela que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que ia combater, mas acabou fazendo do mesmo jeitinho que seus antecessores. Além disso, alguns deputados argumentaram que votaram o texto base da forma que estava para adiantar os trabalhos e que na fase de destaques, que já está ocorrendo, é que iria analisar as emendas especificas de cada categoria, como por exemplo, a dos policiais que no texto básico não foram agraciados com o direito à aposentadoria especial, promessa de campanha do presidente.

 

Destaques

É nesse momento de discutir os destaques que a população precisa ficar mais atenta. De modo geral, os termos presentes no texto base causam sérios prejuízos para os servidores públicos federais que é o caso de muita gente que vive no Estado. Se, no momento dos destaques não houver nenhuma alteração no texto original, os servidores correm o risco de só ter o direito à aposentadoria integram aos 70 anos para as mulheres e 75 anos para os homens. Além disso, é preciso arcar com o que ficou conhecido como pedágio para a transição das novas regras. Assim, se não houver nenhuma mudança, os servidores públicos federais terão que contribuir por 40 anos para chegar a 100% do pedágio, garantindo a aposentadoria integral.

 

Valores

Outro fator que preocupa são os valores estabelecidos como tetos para as aposentadorias. Para os mais pobres, o máximo será de R$ 1.400 por mês. Para os servidores que se dedicaram, investiram em estudo, cursinho para concorrer a uma vaga em concursos públicos mais cobiçados como os do poder judiciário, o teto da aposentadoria não passará de R$ 8 mil, é bem menos do que muitos ganham atualmente por exemplo, ou do valor investido em uma boa escola ou cursinho preparatório para conseguir chegar na estabilidade do concurso público. São esses talvez, os pontos mais polêmicos da proposta e agora, cabe ao eleitor acompanhar a discussão de cada destaque para ver qual será o posicionamento do parlamentar a quem o voto foi confiado. No momento, o que se tem de concreto é que o texto original passou pela primeira votação, mas há muitos pontos que precisam ser corrigidos para não prejudicar a população em especial, aqueles que mais precisam da aposentadoria.

 

Mudanças

Depois de muitas denúncias e poucos resultados práticos para a população, o Governo do Estado publicou em Diário Oficial algumas mudanças realizadas dentro da Secretaria Estadual de Saúde. Primeiro, o ex-secretário Ailton Wanderley foi retirado da presidência do Conselho Estadual de Saúde. Os mais próximos afirmam que o ato é mais uma retaliação de Antonio Denarium (PSL) ao seu ex-gestor depois dos comentários que expuseram os interesses escusos em relação ao dinheiro que chega para manter os serviços de saúde. Depois, o governador também deu um cargo de presente para uma moça chamada Ava Patrícia, que agora é a nova coordenadora de urgência e emergência da Sesau. A moça não é querida por muitos e bastou o Diário ficar disponível para o tema aparecer nos grupos de whatsapp de maneira bem negativa. A fala geral é que Ava não tem competência técnica para ocupar o cargo e que só conseguiu esse agrado por ser uma autêntica puxa-saco da atual secretária Cecília Lorezon. Agora é acompanhar como será o desempenho de Ava, famosa pelos posts sem muita noção nas redes sociais.

 

Sigilo

Depois que o RR Em Tempo apresentou dados sobre a movimentação financeira da empresa União Comércio e Serviço LTDA, alguns leitores enviaram mensagem para o Portal solicitando a quebra do sigilo bancário da empresa. As mensagens são quase um apelo para que se extinga qualquer dúvida em relação à União. A partir dos dados bancários seria possível identificar se todo o valor liberado pelo Governo foi sacado e, se por acaso, parte desse recursos foi depositada em contas de pessoas famosas pelo Estado, incluindo a conta do primo dos dois sócios que, supostamente administram a União, o senador Mecias de Jesus (PRB). Outro leitor, sugere que se verifique junto à Sefaz se houve quebra de ordem cronológica para o pagamento efetuado pela empresa em setembro de 2018, mês que antecedeu as eleições, isso ajudaria a confirmar se houve mesmo favorecimento da empresa com os recursos da Saúde.

 

Calou-se

Falamos aqui que o deputado estadual Renato Silva (PRB) parou de falar sobre os problemas da saúde pública no Estado. Ele que foi o grande defensor da CPI da Saúde e chegou a falar que pediria o impeachment do governador, hoje transita confortavelmente, ao lado de Disney, chefe da Casa Civil e do próprio Antonio Denarium. Sobre a postura do jovem parlamentar, o Roraima em Tempo também recebeu mensagens dizendo que era necessário seguir cobrando os motivos que levaram a mudança tão brusca de postura do jovem parlamentar. Em outro apelo, o leitor insinua que Renato jamais faria a CPI da Saúde porque as informações teriam que ser remetidas aos Ministério Público de Contas, onde a enteada do senador Mecias de Jesus tem um bom cargo de confiança. O autor desta mensagem conclui afirmando que é muito difícil uma investigação como essa avançar em Roraima, quando todos os envolvidos tem uma ligação direta um com os outros. Renato é do mesmo partido de Mecias que por sua vez, é apontado como um dos causadores do caos na saúde de Roraima, ao privilegiar contatos com a empresa União, administrada pelos seus primos. Por fim, a enteada do senador tem cargo de comissão no Ministério Públicos de Contas. Assim, fica tudo muito amarrado mesmo.

 

Esqueceu

Andam comentando por aí que o Denarium esqueceu o velho ditado da roça de que o "gado só engorda aos olhos do dono". A afirmação se refere às inúmeras viagens do chefe do Executivo Estadual que adora pousar para foto com os 'famosos' Ministros e Parlamentares de Brasília, ou ainda com os investidores que ele admira, visita e convida para investir em Roraima, mesmo que a situação de Tucuruí não tenha avançando e mesmo que nenhum obra de recuperação de estradas ou vicinais tenha começado. A Coluna não contabilizou, mas no mínimo, Denarium realiza duas viagens por mês para diferentes destinos, por sorte ele tem cumprido pelo menos essa meta de campanha e os custos do seu translado não geram ônus para o Estado. Mas, o detalhe é que ele nunca viaja sozinho e com certeza, seus colegas de trip usam o dinheiro público do Estado que está em calamidade financeira para cobrir os gastos com passagens, hospedagem e alimentação.

 

Sem dono

Enquanto Denarium viaja muito, os problemas de Roraima se avolumam na área da saúde, da educação e da segurança pública. Até do próprio partido, ele esqueceu de cuidar. O PSL está com o registro junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RR) vencido desde o dia 30 de maio. Se os dados não forem atualizados nos próximos dias, o Tribunal poderá suspender as atividades do partido. Denarium divide a responsabilidade de conduzir as ações do PSL junto com o deputado federal Antônio Carlos Nicoletti. Ambos foram registrados como presidente e vice-presidente da legenda em comissão provisória desde o dia 12 de dezembro do ano passado. Isso é uma clara demonstração de que Denarium precisa dedicar mais tempo para resolver os problemas de Roraima e até do seu partido.


SEE ALSO ...