Esporte

Fifa estuda transferir jogos da Copa de 2022 ao Kuwait e Omã

Participação de outros países seria saída para ampliar torneio de 32 para 48 seleções


A Fifa está levando adiante seus planos para expandir a Copa do Mundo de 2022, a despeito das preocupações de alguns líderes do país-sede, Qatar, cujo apoio ao projeto seria necessário. A decisão, um projeto politicamente perigoso, mas que conta com forte apoio de Gianni Infantino, o presidente da Fifa, aumentaria o número de participantes do maior torneio mundial de futebol para 48 seleções antes do prazo previsto, mas requereria contornar algumas rivalidades regionais traiçoeiras.

Sob o plano em estudo no momento, a maioria das partidas da Copa de 2022 continuaria a ser realizada no Qatar -que conquistou o direito de organizar um torneio com 32 seleções, e continua a se preparar para isso- mas jogos adicionais aconteceriam no Kuwait e Omã, como parte de uma Copa do Oriente Médio, mais ampla. A expansão de Infantino não enviaria jogos aos países que atualmente lideram um bloqueio político e econômico ao Qatar, a exemplo dos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Infantino, que se elegeu presidente da Fifa em 2016 e em junho busca reeleição para um mandato de quatro anos, está entre os maiores proponentes de uma Copa do Mundo expandida, que, por meio de um maior número de vagas para as federações associadas à Fifa e da elevação da receita de patrocínio, poderia se provar popular entre os países que raramente têm a oportunidade de participar do torneio.

Uma decisão final sobre a ideia deveria ser tomada na semana que vem, quando o Conselho da Fifa se reúne em Miami, mas Infantino decidiu transferir a decisão para o congresso anual da organização em junho, quando ele disputará a reeleição sem adversários.

Caso o Qatar aceite a mudança - consentimento é requerido-, e caso os desafios logísticos envolvidos possam ser superados, Infantino provavelmente buscaria a aprovação das 211 federações que formam a Fifa, um conjunto de dirigentes conhecido há muito tempo por carimbar sem discutir as decisões favorecidas pelo presidente. Ele havia declarado anteriormente que a decisão seria tomada pelo Conselho da Fifa, que tem menos integrantes e governa o futebol em todo o planeta.

A Fifa e o comitê organizador da Copa do Mundo do Qatar não comentaram sobre o assunto.

Em foro privado, porém, alguns membros importantes do comitê organizador que vêm trabalhando para o evento desde que o Qatar conquistou o direito de sediar a Copa, em uma decisão controversa tomada uma década atrás, declaram oposição à ideia de compartilhar o torneio com outros países, e expressam frustração diante da possibilidade de que isso aconteça. A posição final do Qatar sobre isso será decidida pelos governantes do país, que podem ver vantagens políticas em incluir determinados vizinhos.

Embora Infantino tenha declarado que compartilhar alguns jogos com os países vizinhos do Qatar ajudaria a curar as divisões da região, um grupo formado pela Fifa para conduzir um estudo de viabilidade concluiu que seria impraticável incluir os países envolvidos no bloqueio, entre os quais o Bahrein, nos planos para sediar partidas adicionais, o que deixa o Omã e o Kuwait como escolhas favorecidas. Infantino recentemente visitou os dois países, onde discutiu a ideia, de acordo com pessoas informadas sobre as negociações,

Infantino vem pressionando por uma expansão da Copa do Mundo em todas as ocasiões, nos últimos anos, a despeito de revezes ao longo do caminho. Ele retirou a questão da agenda no Congresso da Fifa no ano passado, devido a reações negativas de diversas das partes interessadas.

Mas a postura do Qatar -que não rejeitou publicamente a expansão da Copa do Mundo, ainda que a logística quase certamente deva exigir a inclusão de parceiros- encorajou Infantino a levar adiante seu esforço para garantir o formato expandido, que já foi adotado para a Copa do Mundo de 2026 e as edições futuras do torneio. Os organizadores da Copa do Mundo do Qatar declararam na metade do ano passado que esperariam para decidir sua posição quanto a um torneio com 48 seleções quando um estudo mais completo for concluído.

Infantino costuma vacilar entre diversas explicações, quando questionado sobre seu intenso esforço por uma Copa do Mundo com 48 seleções, mencionado justificações esportivas centradas no crescente interesse pelo futebol e motivos políticos que girariam em torno de aliviar as tensões na região.

"Existem tensões nessa região específica, e cabe aos seus líderes lidar com isso, mas talvez seja mais fácil falar sobre um projeto conjunto de futebol do que sobre coisas mais complicadas", disse Infantino em janeiro. "Se isso puder ajudar as pessoas do Golfo Pérsico e todos os países do mundo a desenvolver o futebol e levar uma mensagem positiva sobre o futebol ao mundo, deveríamos tentar".

Kuwait e Omã se mantiveram em geral neutros na crise do Golfo Pérsico, caracterizada por amargura e comportamentos muitas vezes mesquinhos entre os países rivais. A inimizade ficou patente na recente Copa Asiática, quando o Qatar derrotou a seleção do anfitrião, os Emirados Árabes Unidos, de modo acachapante, em um jogo disputado em uma atmosfera venenosa e que será lembrado pelas dezenas de sapatos e outros objetos arremessados pelos torcedores dos Emirados contra os jogadores do Qatar, na vitória deste por 4 a 0. Com os voos diretos entre os dois países suspensos, os jogadores do Qatar viajaram aos Emirados Árabes via Omã, e os torcedores do país em geral ficaram impedidos de comparecer.

As restrições de viagem também são preocupação para os organizadores da Copa do Mundo, que contavam com a presença de milhares de torcedores da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes.

Há diversos obstáculos logísticos a superar, para a expansão do número de seleções no torneio. Os dirigentes da Fifa determinaram que o Qatar, um país de 11,5 mil quilômetros quadrados, não poderia absorver partidas adicionais, e agora é preciso decidir se os países vizinhos dispõem de infraestrutura que atenda às especificações rigorosas da organização.

Os potenciais obstáculos incluem a proibição à venda de álcool, no Kuwait, e a disponibilidade de instalações para treinamento e aeroportos.

Além disso, a Fifa terá de encaixar 16 partidas adicionais em um cronograma que foi reduzido a 29 dias, para acalmar as ligas europeias de futebol, que estavam furiosas com a transferência do torneio de suas datas tradicionais, em junho e julho, para novembro e dezembro, devido à temperatura feroz do verão no Golfo Pérsico.

SEE ALSO ...