Coluna Roraima Alerta

10.04.19_RR Alerta

CPI da Saúde pode revelar nomes dos políticos que comandam esquema de corrupção na SESAU


CPI

A pressão está grande para que Assembleia Legislativa implante a CPI da Saúde. Para que isso aconteça, o pedido tem que ter o aval de pelo menos oito deputados. Até o momento, apenas quatro se manifestaram publicamente favorável às investigações. Há uma forte cobrança da população que quer saber onde está sendo investido o dinheiro destinado para a pasta e também quem são os políticos que comandam as empresas denunciadas pelo ex-secretário de Saúde, Ailton Wanderley . Outro questionamento diz respeito às denúncias em relação aos médicos que estariam batendo ponto sem cumprir plantão. A única forma de esclarecer se essas suspeitas procedem ou não, é fazendo uma investigação. Trabalho que deveria ser endossado também pelos órgãos de controle.

 

 

Apoio

Entre os deputados que apoiam a instalação de um CPI para investigar os contratos da Saúde estadual, está o deputado Jorge Everton (MDB). Na sua legislatura anterior, ele foi autor da CPI do Sistema Prisional, constatando várias irregularidades como o esquema de consumo de combustível que registrava o abastecimento de veículos parados, sem condições de funcionamento. Uma pena que, mesmo com tantas provas, pouca coisa de efetivo foi feito para acabar com o roubo do dinheiro público na pasta. Foi necessário uma ação da Polícia Federal e a própria Intervenção no Sistema para reorganizar as finanças e até para conter as fugas que eram comum. Os problemas estavam listados no relatório da CPI, à disposição de toda a sociedade e dos órgãos de controle, mas nenhum dos envolvidos foi punido, nem mesmo a ex-governadora Suely Campos, que segue impune.

 

Campanha

Para quem conhece os bastidores da política roraimense, é possível identificar as movimentações políticas típicas do período eleitoral. A próxima eleição acontece apenas em 2020, com a escolha para os prefeitos. E claro, a expectativa é que a disputa por Boa Vista seja a mais acirrada. Porém, quem quer que venham assumir, ocupará o cargo com o peso da responsabilidade de manter a excelência em gestão marca do trabalho da prefeita Teresa Surita (MDB). Isso não é um elogio, é um fato constatado. Boa Vista aparece em pesquisas nacionais como uma das melhores capitais para se viver e o índice de aprovação da prefeita e da sua gestão são um dos mais altos do país. Nas conversas informais é quase unanime a certeza de que Teresa seria reeleita se pudesse concorrer novamente ao cargo. Porém, a legislação não permite. Por isso, os partidos ou nomes interessados na cadeira já iniciaram essa movimentação. O esforço é trazer um nome que convença a população da sua capacidade para manter e melhorar o trabalho da atual gestão.

 

Politiqueira

E quando falamos nesses movimentos, é fácil identificar ações politiqueira, ou seja, aquelas que são feitas com o objetivo de ir enfraquecendo a imagem de um opositor. Mesmo não sendo candidata à reeleição, Teresa segue alvo de alguns desses movimentos. O mais recente é a greve dos cuidadores escolares. Basta usar a lógica para ver que esses profissionais prestaram concurso público e o edital já previa a carga de trabalho de 40 horas semanais. Ora, se não concordassem com isso, que contestassem o edital, mas não criassem essa situação estranha após garantir a ocupação da vaga. Boa Vista é uma das poucas capitais que está conseguido pagar em dias o salários dos seus servidores. Os cuidadores trabalham em prédios adequados, com merenda, materiais didáticos e outros recursos que oferecem boas condições para o desempenho da sua função. Na época em que Getúlio Cruz foi o super-secretário, por exemplo, não havia nenhum cuidador em sala de aula, os salários, foram reduzidos e pagos em atraso. Na atual gestão, a realidade é bem diferente e os novos concursados deveriam valorizar isso.

 

Gasolina

O preço do combustível em Roraima está um absurdo. Em alguns postos, o preço do litro da gasolina chega a custar R$ 4,39. E foi um susto, porque o último aumento foi de quase R$ 0,20 da noite pro dia. O Sindicato dos Postos de Combustível, mesmo procurado pela imprensa, não dá explicações e se limitou a dizer que faria uma entrevista coletiva para explicar como o valor cobrado ao consumidor é elaborado. O Procon da Assembleia Legislativa tomou a dianteira para tentar entender porque os valores praticados localmente são tão altos e a carga tributária, especialmente, o ICMS aparece com um dos principais vilões dessa história. Faz tempo que o combustível deixou de ser luxo, hoje é necessidade e o preço praticado especialmente, no litro da gasolina tem pesado muito no orçamento família.

 

Quem nos defenderá?

Se antes, a população cobrava o ex-senador Romero Jucá (MDB) que inclusive apresentou um projeto de Lei do Senado para igualar a alíquota do ICMS sobre os combustíveis e o gás de cozinha, agora é hora de perguntar o que os atuais senadores vão fazer a respeito. Chico Rodrigues (DEM) tem muita experiência no assunto, afinal, ficou conhecido nacionalmente em 2006, no escândalo do combustível, na Câmara Federal. Telmário Mota (PROS) vive no mundo da lua, inclusive mais preocupado em manter sus direitos sobre a exploração dos galos de briga, contestando o Estatuto dos Animais. Mecias de Jesus (PRB) não deve nem abrir a boca, afinal, sua família é dona de vários postos de combustível no interior do Estado. Portanto, ele tá ganhando muito coma gasolina a R$ 4,39 e pouco preocupado com o resto da população. Como dizem por aí, o roraimense está é lascado.

 

SEE ALSO ...